ID
PW
Login  Register  Help
My album reviews/comments My collection My wish list
Decayed - The Beast Has Risen cover art
Band
Albumpreview 

The Beast Has Risen

(2003)
TypeStudio Full-length
GenresBlack Metal
LabelsDrakkar Productions
Album rating :  -
Votes :  0
Lyrics > D > Decayed Lyrics (106) > The Beast Has Risen Lyrics (11) >

Halrack Lyrics

11. Halrack (23:21)
Halrack G.D.

Primeira Parte:

Sou ser de negro sangue. Sou fruto da terra do planeta mais distante. Sou ser de um sonhador sonante. Sou semente de um horizonte impenetrante…
Sou visível no invisível. Sou possível no impossível. Sou morte tornada forte. Sou a mentira em que reside a vida…
Sou o desejo indesejado. Sou o mal tornado verdade. Sou espírito inderrubado. Sou o Sol agora apagado…
Sou maldito amaldiçoado. Sou carne de um corpo invalidado. Sou pensamento intragado. Sou ser humano… descristianizado.

Segunda Parte:

Quando o dia se esvanece. E a irrealidade do dia se escurece. A noite amanhece. E a realidade acontece…
A escuridão a minha mente tece. Como se a Morte a minha vida fizesse. Como se tudo o que eu lhe peço. Me fosse dado pelo fogo que me aquece…
O retorno ao tempo antigo. Não sei onde pertenço. Paro a olhar o meu jazigo.
…O meu fogo permanece…
Vagueando… Vadiando…
Com vida convivo com a Morte.
Gritando… Odiando…
No corpo humano inflijo o corte.

Terceira Parte:

Noite sublime por mim abraçada. Silêncio em ruínas ensanguentadas. Através dos tempos raças humanas torturadas. O Inferno é terra pelos mortais invejada. Sombrios tempos de flagelo. Nuvens negras numa eterna estação. O mar tornado gelo. Morte total de tudo com coração…
O Sol para sempre encoberto. Morrendo o meu espírito liberto. A Terra pelo Universo à deriva. A escuridão é a luz da vida…
Em tempos vindouros de recuados tempos ancestrais. Mil milhões de mortos em cânticos infernais. Morte e Destruição. Do novo milénio são sinais.

Quarta Parte:

Hoje acordei para não mais viver. Neste mundo mais nada quero saber. Já não quero mais aqui sobreviver. Quero liberdade e assim devo morrer…
O meu corpo desenterro desta vida. Esta existência aqui termina…
Aqui não estarei mais tempo. Nada aqui me prende. Mais tempo não aguento. Esta vida já não mais defendo…
(A Vida a Morte come…)
Não suporto mais viver. Não quero esta vida ter. Outra vida quero ser. Hei-de morrer e renascer…
Quero morrer! Não quero viver!

Quinta Parte:

Pela noite… Regresso. Do dia me despeço. Na sombra ingresso…
No limiar me transformo. Meu corpo de negro adorno. Venerado o Inferno. Ser humano é ser enfermo.
Guerra… Paz…
Alegria… Tristeza.
Já nada na Terra me satisfaz. Já nada na Terra me é beleza…
Invisível cor nocturna. Nada mais ali dura. A esperança antes diurna. É agora o tempo da rotura…
Morte faminta de vida. É o fim do dia.
Noite de cor lívida. Não há um amanhã com forma luzidia…
O vento as sombras transporta. Tece os ramos do velho carvalho. Nada da Terra me importa. O meu espírito é de negro orvalho.

Sexta Parte:

A solidão é agora ocultada. A lágrima é agora ofuscada. A dor é agora asfixiada. A vontade é agora aprisionada…
Já não tenho terra para ser pisada. Já não tenho pessoa para ser abraçada. Já não tenho luz para ser visada. Já não tenho alegria para ser embelezada…
A Morte é agora cavalgada. A tristeza é agora navegada. A agonia é agora amada. A amargura é agora soletrada…
Sou vida jejuada. Numa direcção por mim guiada. Num cantar da madrugada. Sou morte pela vida sufragiada.

Sétima Parte:

Milhões de estrelas permanecem a brilhar. Mesmo mortas esperança têm para me dar.
Será a Morte o caminho a alcançar? Mesmo morto poder assim viajar?
Esse sentimento forte que me fita. É incicatrizável cicatriz. A tristeza de ter vida. Mas serei como sempre quis?
Pálido olhar na penumbra do escuro. Na sua solidão da vida me ausento. Verto o som neste espaço impuro. É aqui mesmo que me invento…
No gelo sinto-me quente. Transponho o viver mortal. Renasço em cada poente. Num inóspito portal…
O partir trará o meu sorrir. Triste será quem não souber ir. O vento levará o meu lamento. À Terra descerá todo o tormento…
Terei sido aqui um condenado. Outrora julgado e aqui deixado. Sendo agora livre o direito tenho de deixar. Pena cumprida! Meu espírito o Universo quer irradiar…

(Words by Kepler, Lord of Nothingness. Music, composed and recorded by JA during the year 1997. Vocals by JA in December year 2001)
This song is dedicated to One far away…
Submitted by level
Info / Statistics
Bands : 28,275
Albums : 101,803
Reviews : 6,567
Lyrics : 94,281
Top Rating
 Trivium
In Waves
 rating : 86.5  votes : 25
 Pantera
Official Live: 101 Proof
 rating : 88.9  votes : 22
 Heaven Shall Burn
Invictus
 rating : 88.2  votes : 35